quinta-feira, junho 22, 2006

25) Resumos de Historia Economica

----------------- HES POSTING -----------------
I am pleased to announce that the first issue of the HISTORY OF ECONOMICS ABSTRACTS, on the Economic Research Network of the Social Sciences Research Network, Sponsored by the History of Economics Society (Vol. 1, No. 1: June 23, 2006) will be published via e-mail shortly. This is a good time, I think, to make a second announcement (see below) of this free series and to encourage anyone interested in the history of economics or related fields to 1) subscribe, and 2) post your working papers and abstracts of your published papers to the series. Like all such endeavors, this series will become more valuable as more people use it.

Kevin Hoover
Editor, ERN History of Economics Journal

I am pleased to announce that the History of Economics Society now sponsors a working paper and published paper (abstract) "journal" on the Economics Research Network (ERN) a part of the Social Sciences Research Network (SSRN). The History of Economics "journal" is free in every sense: anyone is free to post papers, anyone is free to subscribe and to receive regular e-mail notices of newly posted papers, and the series will be edited with an eye to promoting the free exchange of ideas. Work related to any aspect of the history of economics and cognate areas -- and indeed to any topics that are likely to be of interest to historians of economics -- is welcome. Although the series is edited, the guiding thought of the editorial policy is to promote the free exchange of ideas. There is no refereeing, and virtually all papers will be posted without editorially interference. Posting papers on the History of Economics journal does not conflict with subsequent submission to professional journals.

The homepage for SSRN is www.ssrn.com
To Subscribe: Go the Homepage (www.ssrn.com) and click the subscription button. Click on the link: Subscribe/Unsubscribe to SSRN Journals . Following the links through login (where you will set up an ID and password), to your personal page. Click on the Subscription link, and then click on the link to subscribe/unsubscribe from journals on the Economic Research Network. The History of Economics journal is found under the Subject Matter Journals.

To Submit Working Papers or Abstracts of Published Papers: Go to the Homepage (www.ssrn.com), click on the Submit button and follow the instructions. (You will need to have a pdf copy of your paper (they may be able to convert other files to pdf on the site; if so you will find the instructions there), an abstract, the appropriate JEL codes, and a list of keywords. You may also list the abstracts, though not post, published papers.)

Once Subscribed, You May: 1) Search the SSRN databases or Browse journals from links on the homepage; 2) Track your own papers through the posting process and keep track of your download statistics by clicking on the MyBriefcase button on the homepage.

Technical questions about posting papers should be addressed, in the first instance, to SSRN (see information on their website). Policy questions should be directed to me.

The History of Economics journal on SSRN has the potential to be a highly valuable resource for all historian of economics. Its success, however, requires that as many scholars as possible subscribe and routinely post their papers to the network. I encourage you all to begin the process without delay.

Kevin D. Hoover
Editor, ERN History of Economics Journal
----------------- FOOTER TO HES POSTING -----------------

sexta-feira, junho 16, 2006

24) Uma entrevista com Mario Henrique Simonsen (1995)

Do site Brazil Political Comment, do jornalista John Fitzpatrick.
JF is a Scotsman who first visited Brazil in 1987 and has written extensively on the country´s politics, business, economy, culture and history. Before settling permanently in São Paulo in 1995, he spent around 20 years as a print and radio journalist working in several countries.

An Interview with Mario Henrique Simonsen
Neste link.
30 March 1995

The following interview was carried out in March 1995 at Mario Henrique Simonsen´s office at the Fundação Getulio Vargas business school in Rio de Janeiro. At that time Simonsen was undergoing treatment for cancer but he was in good form and spoke over a wide range of topics for almost two hours in fluent English. He died in 1997. This is a shortened version of a subsequent interview which first appeared in a Swiss magazine called “UBS International”.

Civilian rule returned to Brazil just over 10 years ago when the military finally returned to its barracks after ruling Latin America ´s biggest country for two decades. Democracy has brought its own problems and Brazilians have endured much over these last 10 years. Since 1985, for example, there have been four presidents, 13 Central Bank presidents, six changes of currency, a moratorium on international debt, six price freezes, a new constitution, a presidential impeachment, six elections and a plebiscite on whether the country should have a presidential or parliamentary system of government.

Under the “Plano Real”, which the current president, Fernando Henrique Cardoso, introduced when he was finance minister in the previous government, Brazilians are enjoying relative economic stability. However, observers says there are still many constitutional and structural reforms to be fully achieved. One man who has been close to the center of power over the past 25 years is the economist Mario Henrique Simonsen who was finance minister during military.

John Fitzpatrick: De Gaulle is supposed to have once said: “Brazil is not a serious country”. Is Brazil now a “serious” country?
Mario Henrique Simonsen: It depends on what you mean by a serious country. I have lots of doubts about Brazil but I also have lots of doubts about other countries too - although incidentally, not about Switzerland. With its huge current account deficit, the US could hardly be accepted as a serious country yet it´s still the leading economy in the world. The UK has sold state companies to finance its current account expenses and budget and is also considered serious. So, as long as the US and the UK are considered to be serious countries, then Brazil is a serious country.

JF: Do you think the recent stability Brazil has experienced under the Plano Real will continue?
Simonsen: There are two points to consider. One is the crazy indexation system we have developed in which wages followed inflation, and inflation followed wages. This pushed inflation rates up to 50% a month. The good thing about the Plano Real is that it has introduced a skilful “de-inflation” system. It has not abolished indexation completely but extended its minimum period to one year. This means that the indexation fever does not exists any more.
The second thing the government has done is what I would call preliminary fiscal adjustment. The budget for 1994 was kept in balance not because of austerity measures and cutting expenditure but by increasing taxes, both by creating new taxes, such as on checks, and by reducing the transfer of federal revenues to the states. Above all, the increase in economic activity has increased the level of government revenues. However, I still do not think all that is enough to have a stable currency. The government should do more and has not done so yet.

JF: Would you give President Cardoso credit for achieving this stability?
Simonsen: He has a lot of credit - not because of what he has done as president but for what he did as finance minister. He was elected president because of his achievements as finance minister. As a president, he should be able to balance the budget in a definite way. He should go deeper into cutting public expenditure and improving the tax system. That, of course, involves changing social security. He should also make changes in the constitution to increase the flow of foreign capital and ease the position of Brazil in the world economy.

JF: The constitution of 1988 was an unwieldy document which seems to have pleased no-one and from the moment it was published there have been calls for it to be changed. How then did such a constitution come about?
Simonsen: The constitution of 1988 was very much a romantic revolution in response to 21 years of military rule. Everything which the military government had established, including some rationalities in economics, was overthrown by the constitution. There was a lack of synchronization with what was happening in the world when the constitution was enacted. Brazil was returning to nationalistic ideas at a time when the rest of the world was changing. Socialism was ending in Eastern Europe and you already had Reaganomics and Thatcherism.

JF: You had personal involvement in creating these “rationalities in economics” as finance minister during military rule. What freedom did you have as a minister under a military government?
Simonsen: I was finance minister from 1974 to 1979 and had absolute freedom to act. I never had to respond to the military but only to the President and that is what occurs in a civilian regime too.

JF: How did you feel as a minister in a country which was ruled by the military?
Simonsen: The military in Brazil were technocrats. They stepped in because President João Goulart wanted to have a leftist revolution in 1964. The military takeover was a “reactive revolution”. It is possible to say they went too far but they had their reasons for doing so. The military was in control but the press was free. I was violently criticized by the press every day.

JF: Do you think democracy is now firmly entrenched in Brazil?
Simonsen: Yes. It would be very difficult to impose a dictatorship on Brazil today. Dictatorships emerge when they´re fashionable. They were fashionable in the 30s and there were only a few democracies, such as the US, UK, France and Switzerland which resisted them. Then you had the Cold War and leftist dictatorships across eastern Europe. The right-wing revolutions we had in Brazil, Argentina, Chile and other Latin American countries were “reactive revolutions” aimed at preventing Communist takeovers. But once the Cold War ended, both types of dictatorship lost their prestige. Churchill said that democracy was the worst possible system but there was none that was any better.

JF: What are Brazil´s strengths?
Simonsen: The good things are an efficient private sector, the high quality of firms and management and levels of technology. These are by far the best in Latin America and comparable to many places in Europe. The standard of industry in places like São Paulo and agriculture in the south are very good. The real side of the Brazilian economy is very good given the per capita income for an emerging country. I think the Brazilian economy can grow at 4% to 5% a year as long as you don´t cut back savings. This is a big problem. In the 70s, Brazil had a savings rate of 25% - today it´s 18% to 20%.

JF: What about foreign investment?
Simonsen: You can bring foreign investment in only up to a certain point – 2% of GDP at most. More than that and you have the experience of Mexico. From long-term investment you never get more than 2% of GDP – that´s US$10 billion in direct investment. We got US$ 2 billion last year (1994). A realistic goal if you change the constitution would be US$ 5 billion. If you come to Brazil and think on a long-term basis you have the chance to make lots of money. Most people who invested on a long-term basis are pleased and have made reasonable amounts of profit. If you come to make short-term profits on interest rate differentials it´s a lottery.

JF: How do you see the Mercosul free trade group developing?
Simonsen: It´s important in that four countries have the responsibility for coordinating their macroeconomic policies. The best outcome is that you force countries to come to agreement on economic policies.

JF: What about the decision taken by leaders from North and South America in Miami in September 1994 to create a hemispheric free trade zone by 2005?
Simonsen: This is a little bit like the single currency in Europe. It has been put forward several times and postponed and I think it will be put forward again. From the realistic point of view, it´s a little bit too ambitious but it´s better to have ambitious targets than none.

JF: Why is there such a great difference within Brazil between the richer southern areas and the poorer Northeast?
Simonsen: One reason is natural resources. There is much more agriculture in the Northeast. Another is the cultural attitude and values. Instead of working themselves, the people from the Northeast prefer to rely on benefits offered by the government. It´s very different from the south which was influenced by Italian and German immigration. If you ask what the people of São Paulo, Rio Grande do Sul and Santa Catarina want from the government they want to pay less taxes and they want to work. In the Northeast, they want the government to collect taxes from somebody else to give to them.

JF: Is there any danger of the southern states separating?
Simonsen: Brazilians are not very radical and the chances of a part of Brazil separating are none. Frankly, this is the type of question only foreigners ask.

JF: But is it any less serious than the restoration of the monarchy? After all, you had a plebiscite about two years ago in which restoring the monarchy was a serious proposition.
Simonsen: I actually voted in favor of that proposition not because I favor a monarchy, which I think is ridiculous, but I am for a parliamentary system. However, most people prefer a presidential regime.

quarta-feira, junho 07, 2006

23) CNPq financia pesquisa em temas de relacoes internacionais

Programa Renato Archer investirá R$ 4 milhões para pesquisas em política externa brasileira

O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) estão lançando, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), edital para apoiar projetos de pesquisa no âmbito do Programa Renato Archer de Apoio à Pesquisa em Relações Internacionais.

O edital disponibiliza o valor global de R$ 4 milhões para financiar as propostas aprovadas. Os recursos são provenientes dos fundos setoriais de Infra-estrutura e Verde-Amarelo, no âmbito da “Ação Transversal de Apoio a Redes de Pesquisas sobre Temas Prioritários de Cooperação Internacional em Ciência, Tecnologia e Inovação”.

O Programa Renato Archer pretende criar um mecanismo inovador de incentivo à pesquisa em relações internacionais, com ênfase nas questões prioritárias da política externa brasileira, apoiando a constituição de redes cooperativas de pesquisa em torno de temas prioritários para a política externa brasileira.

Os temas prioritários listados no Edital são: Paz e Segurança Internacional ; Estudos sobre Pólos de Poder; América do Sul; Desenvolvimento, Ciência e Inovação Tecnológica; e Normatividade e Governança Internacional As propostas apresentadas deverão contemplar uma ou mais dessas cinco áreas temáticas.

Os projetos deverão ser submetidos por pesquisadores vinculados a cursos de Pós-Graduação stricto sensu em Relações Internacionais, reconhecidos pela CAPES. As redes cooperativas de pesquisa, no entanto, poderão ser formadas com a participação de pesquisadores atuantes em outras áreas do conhecimento.

As propostas deverão ser submetidas ao CNPq até às 18h do dia 14 de agosto de 2006, exclusivamente via internet. O Formulário de Propostas on-line , estará disponível na página do CNPq, no endereço http://efomento.cnpq.br/efomento , a partir do dia 14 de junho. O resultado será divulgado no Diário Oficial da União no dia 11 de setembro de 2006 e o início da contratação dos projetos aprovados está previsto para o dia 26 de setembro.

Veja aqui o edital
Assessoria de Comunicação Social do CNPq

Edital MCT/CNPq/CT-INFRA/CT-Verde Amarelo nº 029/2006

Seleção Pública de Projetos no âmbito do Programa Renato Archer de Apoio à Pesquisa em Relações Internacionais

O Ministério da Ciência e Tecnologia – MCT, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, em parceria com o Ministério das Relações Exteriores – MRE, por meio da Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG), de acordo com a “Ação Transversal Apoio à Redes de Pesquisas sobre Temas Prioritários de Cooperação Internacional em Ciência, Tecnologia e Inovação”, em conformidade com a Lei nº 10.197/01 e Decreto nº 3.807/01 que regulamentou o CT-INFRA, e com a Lei nº 10.168/00 e Decreto nº 4.195/02 que regulamentou o CT-VERDE AMARELO, tornam público o lançamento do presente Edital e convocam os interessados a apresentarem propostas para obtenção de financiamento para projetos de pesquisa no âmbito do Programa Renato Archer de Apoio à Pesquisa em Relações Internacionais, segundo as prioridades, condições e linhas temáticas estabelecidas pelo presente Edital.

1. Informações Gerais

1.1. Justificativa e Objetivos

O Brasil conta com um dos corpos diplomáticos mais competentes e consolidados do mundo. A área de relações internacionais nas universidades brasileiras experimentou significativo desenvolvimento qualitativo e quantitativo na última década. A agenda da política externa tem se ampliado com novos enfoques e temas. O Programa Renato Archer de Apoio à Pesquisa em Relações Internacionais surgiu da consciência, compartilhada tanto por acadêmicos, como por autoridades governamentais, da necessidade de aproveitar essa favorável conjuntura, e criar um mecanismo inovador de incentivo à pesquisa em relações internacionais, com ênfase nas questões prioritárias da política externa brasileira.

O Programa Renato Archer de Apoio à Pesquisa em Relações Internacionais apoiará a constituição de redes cooperativas de pesquisa em torno de temas prioritários para a política externa brasileira aqui definidos. Este Programa visa:

a) fornecer subsídios, via pesquisas da área acadêmica, para a ação diplomática brasileira;

b) ampliar o apoio institucional do MRE às pesquisas acadêmicas na área de Relações Internacionais desenvolvidas no Brasil;

c) promover a formação e consolidação de redes cooperativas de pesquisa em torno de temas prioritários para a política externa brasileira; e

d) impulsionar uma perspectiva brasileira ao estudo dos problemas e desafios do sistema internacional.

1.2. Cronograma

Evento Data

Lançamento do Edital no D.O.U. 02/06/2006

Data limite para submissão das propostas 14/08/2006

Análise e Julgamento Até 05/09/2006

Divulgação dos resultados no D.O.U. 11/09/2006

Início da contratação das propostas A partir de 26 de setembro de 2006

1.3. Temas Prioritários de Pesquisa

Os projetos de pesquisa submetidos no âmbito do Programa Renato Archer de Apoio à Pesquisa em Relações Internacionais, visando à formação de redes cooperativas, devem contemplar prioritariamente uma ou mais das seguintes chaves temáticas:

1.3.a) - Paz e Segurança Internacional

Poder mundial: configuração presente, linhas de tensão, tendências, cenários alternativos. Armas de destruição em massa: proliferação, controle, perspectivas de desarmamento. Atores não estatais e segurança internacional: falência estatal, novas formas de guerra, narcotráfico, terrorismo. Crises internacionais: atores, estratégias, instituições, gestão de conflitos.

1.3.b) - Estudos sobre Pólos de Poder

EUA: política externa; interface entre política externa e política doméstica nos EUA; atitude dos EUA perante os mecanismos e instrumentos multilaterais; política norte americana para a América do Sul. Europa: ampliação/aprofundamento da União Européia (políticas econômicas e sociais; Política Externa e de Defesa Comum). Novos pólos de poder (África do Sul, China, Índia, Indonésia, Nigéria e Rússia): interface entre a situação doméstica nestes países e seus interesses estratégicos. Conflito e cooperação no Oriente Médio, no Mundo Islâmico e na África.

1.3.c) - América do Sul

Dinâmica econômica, sócio-política e de segurança de sub-regiões definidas; implicações para o Brasil. Casos nacionais (Argentina, Venezuela, Colômbia, Bolívia, Paraguai e Uruguai): processos econômicos e políticos, política externa, relações com o Brasil.

1.3.d) - Desenvolvimento, Ciência e Inovação Tecnológica

O papel dos mercados e a presença do Estado: investimento em ciência e tecnologia e competitividade no contexto da globalização. Monopólio e disseminação da capacidade de geração de conhecimento e das suas aplicações. Repercussões para o desenvolvimento do Brasil.

1.3.e) - Normatividade e Governança Internacional

Organizações internacionais e regimes internacionais na esfera do comércio internacional, direitos humanos, administração da segurança internacional, meio ambiente e desenvolvimento sustentável; diferentes perspectivas face à normatização do sistema internacional e formação de novas coalizões; políticas públicas e cooperação internacional; o papel da sociedade civil; democratização das instâncias decisórias.

1.4. Público Alvo

O proponente, coordenador da rede de pesquisa, deve ser pesquisador, professor ou especialista vinculado a curso de Pós-Graduação stricto sensu em Relações Internacionais, reconhecido pela CAPES e ministrado no âmbito de instituições de ensino superior, ou institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados, todos sem fins lucrativos, doravante denominados “instituição de execução do projeto”. As redes cooperativas de pesquisa poderão ser formadas com a participação de pesquisadores atuantes em outras áreas do conhecimento e, quando for o caso, integrar representantes do setor privado, conforme o objetivo do projeto.

1.5. Recursos Financeiros

1.5.1. As propostas aprovadas serão financiadas no valor global estimado de R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais), oriundos dos Fundos Setoriais, a serem liberados em quatro parcelas anuais, de acordo com a disponibilidade orçamentária e financeira do CNPq. Os recursos destinados a este Edital são provenientes do CT – INFRA (R$ 2.000.000,00), destinados à instituições públicas de ensino superior e de pesquisa e do CT – Verde Amarelo (R$ 2.000.000,00), destinados à instituições públicas ou privadas de ensino superior e de pesquisa, todas sem fins lucrativos.

1.5.2. O valor total a ser financiado por projeto será de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) a R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais). Os recursos serão destinados a cobrir gastos nas rubricas capital, custeio e bolsas conforme descrito no item 1.6, e a liberação dos mesmos fica condicionada ao seu efetivo repasse ao CNPq.

1.6. Itens Financiáveis

Serão financiados itens referentes a custeio, capital e bolsas (obedecidas as normas de cada modalidade), compreendendo:

1.6.1. Custeio:

a) material de consumo, componentes e/ou peças de reposição de equipamentos, software, instalação, recuperação e manutenção de equipamentos, incluídas as despesas necessárias ao seu adequado funcionamento;

b) serviços de terceiros – pagamento integral ou parcial de contratos de manutenção e serviços de terceiros, pessoa física ou jurídica, de caráter eventual. Qualquer pagamento a pessoa física deve ser realizado de acordo com a legislação em vigor, de forma a não estabelecer vínculo empregatício. Assim, a mão-de-obra empregada na execução do projeto não terá vínculo de qualquer natureza com o CNPq e deste não poderá demandar quaisquer pagamentos, permanecendo na exclusiva responsabilidade do Coordenador/Instituição de execução do projeto;

c) despesas acessórias, especialmente as de importação e as de instalações necessárias ao adequado funcionamento dos equipamentos; e

d) passagens e diárias (de acordo com as Tabelas de Valores de Diárias para Auxílios Individuais e Bolsas de Curta Duração.

Nota: o valor total solicitado para os itens de custeio descritos em “a”, “b” e “c” deverão ser incluídos no campo “custeio” do Formulário de Propostas on-line. Os valores de passagens e diárias deverão ser incluídos em campos do mesmo nome do referido formulário, seguindo as instruções lá contidas.

1.6.2. Capital:

a) Material bibliográfico; e

b) equipamentos e material permanente.

Nota: Os itens de capital serão alocados na instituição de execução do projeto sob a responsabilidade, manutenção e guarda do Coordenador/Instituição de execução do projeto.

1.6.3. Bolsas nas seguintes modalidades, a serem implementadas dentro dos prazos e critérios estipulados para cada uma delas, que estão indicados no seguinte endereço: http://www.cnpq.br/bolsas_auxilios/modalidades/modalidades.htm:

a) Doutorado - GD
b) Mestrado - GM
c) Iniciação Científica - IC
d) Apoio Técnico – AT
e) Especialista Visitante - BEV

1.6.4. Não são permitidas despesas com:

a) construção de imóveis; e

b) as de rotina, como as contas de luz, água, telefone, correio, reprografia e similares e obras civis (ressalvadas as obras com instalações e adaptações necessárias ao adequado funcionamento dos equipamentos), assim como o pagamento de salários ou complementação salarial de pessoal técnico e administrativo ou quaisquer outras vantagens para pessoal de instituições públicas (federal, estadual e municipal), entendidas como despesas de contrapartida obrigatória da instituição de execução do projeto e suas colaboradoras.

1.6.5. É vedado o pagamento, a qualquer título, a servidor da administração pública, ou empregado de empresa pública ou de sociedade de economia mista, por serviços de consultoria ou assistência técnica.

1.6.6. As demais despesas deverão ser de responsabilidade do proponente/instituição de execução do projeto, a título de contrapartida.

1.6.7. Para contratação ou aquisição de bens e serviços deverá ser observada a legislação vigente, bem como as normas do CNPq, disponíveis no endereço www.cnpq.br/prestacaocontas/legislacao.htm.

1.6.8. Quando aplicável, a proposta deve incluir as despesas acessórias decorrentes da importação de equipamentos, material permanente e material de consumo, na razão de 18% (dezoito por cento) do montante previsto para tais gastos, informando a data utilizada para a conversão. O CNPq não responde pela suplementação de recursos para fazer frente a despesas decorrentes de quaisquer fatores externos ao seu controle, como flutuação cambial.

1.6.9. Todos os itens financiados devem estar diretamente relacionados ao objeto e às atividades do projeto.

1.7 – Prazos de Execução dos Projetos

1.7.1. Os projetos a serem apoiados pelo presente Edital poderão ter seu prazo de execução estabelecido em até 48 (quarenta e oito) meses, contados a partir da data da primeira liberação de recursos.

1.7.2. Os projetos serão, inicialmente, implementados por 24 (vinte e quatro) meses. Ao final desse prazo, serão submetidos a um processo de avaliação de resultados e desempenho, conduzido pelo Comitê Gestor do Programa Renato Archer e pelo CNPq, que decidirão pela continuidade ou não dos projetos.

2. Apresentação e Envio das Propostas

2.1. As propostas devem ser apresentadas sob a forma de projeto, utilizando-se para tanto o aplicativo Formulário de Propostas on-line, disponível na página do CNPq, no endereço http://efomento.cnpq.br/efomento, a partir do dia 14 de junho de 2006.

2.2. A descrição detalhada do projeto deverá:

2.2.1. ser apresentada como arquivo anexado, gerado fora do Formulário de Propostas on-line, mas contendo rigorosamente todos os itens previstos neste Edital; e

2.2.2. limitar-se a 500 kb (quinhentos kilobytes), podendo ser enviado nos formatos doc, rtf, pdf ou post script. Recomenda-se evitar o uso de figuras, gráficos, etc. que comprometam a capacidade do arquivo, pois propostas que excedam o limite de 500kb não serão recebidas pelo guichê eletrônico do CNPq.

2.3. O proponente deverá ser pessoa física e também responderá pela coordenação do projeto.

2.4. As propostas devem ser encaminhadas ao CNPq exclusivamente via Internet, por intermédio do Formulário de Propostas on-line. Não serão aceitas propostas submetidas por qualquer outro meio.

2.5. As propostas deverão ser transmitidas ao CNPq, até às 18h (dezoito horas) do dia 14/08/2006, horário de Brasília. No entanto, o sistema eletrônico (servidor de rede), receberá propostas com tolerância de mais 24h (vinte e quatro horas), encerrando-se, impreterivelmente, em 15/08/2006, às 18h (dezoito horas), horário de Brasília. Imediatamente após o envio, o proponente receberá um número de protocolo, o qual servirá como comprovante da transmissão de sua proposta.

2.6. Até o prazo estipulado no item 2.5, o proponente poderá enviar ou substituir a proposta, sendo considerada, para efeito de julgamento, a última proposta encaminhada. A partir daquela data, nenhuma nova solicitação e nenhuma substituição serão consideradas para análise.

2.7. É recomendável submeter a proposta com a maior antecedência possível à data limite estipulada para submissão, a fim de evitar o possível congestionamento do sistema eletrônico.

2.8. Caso a proposta seja remetida fora do prazo de submissão, ela será excluída pelo sistema eletrônico. Por este motivo e, no cumprimento do disposto no art. 41, caput, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, não haverá possibilidade da proposta ser acolhida, examinada e julgada.

3. Características Obrigatórias

As características obrigatórias indicadas a seguir são válidas para o presente Edital. O atendimento às mesmas é considerado imprescindível para o exame da proposta. A ausência ou insuficiência de informações sobre quaisquer delas resultará em não enquadramento da proposta:

3.1. O projeto deve estar claramente caracterizado como pesquisa científica ou de inovação, contemplando uma ou mais das chaves temáticas prioritárias estabelecidas no item 1.3.

3.2. O projeto deve ser desenvolvido mediante a formação de redes cooperativas de pesquisa, agregando outros pesquisadores e/ou grupos de pesquisa atuantes no mesmo tema do projeto ou em caráter multidisciplinar.

3.3. O proponente deverá ter título de doutor e produção científica relevante, nos últimos cinco anos, na área específica do projeto de pesquisa e estar vinculado a curso de Pós-Graduação stricto sensu de Relações Internacionais, reconhecido pela CAPES, ministrado em instituições de ensino superior, ou em institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados, todos sem fins lucrativos.

3.4. O proponente e demais pesquisadores, membros da equipe do projeto, deverão ter currículo cadastrado e atualizado na Plataforma Lattes, disponível no endereço http://lattes.cnpq.br, para que seja possível o preenchimento e o envio da proposta.

3.5. O projeto, a ser anexado ao Formulário de Propostas On line, deve ser elaborado de acordo com o roteiro a seguir, contendo os seguintes dados e informações:

a)Título do projeto;
b) Instituição de execução do projeto e demais instituições formadoras da rede de pesquisa;
c) Nome do coordenador/proponente;
d) Equipe técnica do projeto. Informar, para cada membro da equipe:

i. instituição de vínculo
ii. qualificação
iii. função no projeto (pesquisador, colaborador, estudante, técnico etc.) e
iv. tempo de dedicação ao projeto;

e) Objetivo(s) geral(is) e específico(s);
f) Justificativa(s) para realização do projeto e enquadramento nos temas prioritários do Edital do Programa Renato Archer;
g) Coerência do projeto em relação aos objetivos do Edital;
h) Metodologia e cronologia do projeto;
i) Resultados, avanços e impactos potenciais esperados, incluindo o efeito multiplicador do projeto;
j) Forma de organização e gerenciamento da rede de pesquisa;
l) Cronograma físico-financeiro e orçamento detalhado da proposta, com a discriminação dos gastos de custeio, capital e das bolsas devidamente justificados;
m) Plano de trabalho prevendo, inclusive, intercâmbios necessários para o desenvolvimento da proposta;
n) A correlação entre objetivos e metas, discriminando os indicadores de avaliação e acompanhamento propostos e os produtos esperados;
o) Comprovação da experiência do Coordenador na gestão de projetos com características equivalentes, registrada no Currículo Lattes;
p) No caso de solicitação de bolsas, incluir o plano de trabalho de cada bolsista a ser executado durante o período considerado;
q) Estratégia de divulgação dos resultados.

3.6. O proponente não poderá coordenar mais de uma proposta neste Edital.

3.7. Somente deverão ser incluídos na equipe do projeto pesquisadores, estudantes, técnicos, consultores e colaboradores que tenham prestado anuência formal escrita, a qual deve ser mantida sob a guarda do Coordenador do projeto.

4. Admissão, Análise e Julgamento

A seleção das propostas submetidas ao CNPq, em atendimento a este Edital, será realizada por intermédio de análises e avaliações comparativas. Para tanto, são estabelecidas as seguintes etapas:

4.1. Etapa I – Análise pela Área Técnica do CNPq - Enquadramento

Esta etapa consistirá na análise preliminar das propostas apresentadas em resposta ao presente Edital, a ser realizada por técnicos do CNPq. As propostas que não atenderem às características obrigatórias (vide item 3) e demais exigências deste Edital serão desconsideradas para análise e julgamento de mérito e relevância.

4.2 Etapa II - Análise pela Comissão de Avaliação e Seleção de Propostas – Julgamento e Classificação

4.2.1. Nesta etapa, as propostas serão avaliadas e classificadas por uma Comissão de Avaliação e Seleção de Propostas, cuja composição será definida pelo CNPq, ouvindo o Comitê Gestor do Programa.

4.2.2. Esta etapa consistirá na análise e julgamento de mérito e relevância das propostas, assim como de sua adequação orçamentária, levando-se em consideração a pré-análise de técnicos do CNPq e os seguintes critérios de julgamento estabelecidos pelo Comitê Gestor do Programa:

a) adequação e relevância da proposta em relação aos objetivos do Programa Renato Archer de Apoio à Pesquisa em Relações Internacionais;
b) mérito e originalidade da proposta em relação ao desenvolvimento da área de Relações Internacionais no País;
c) adequação da metodologia proposta;
d) experiência prévia do Coordenador na área do projeto de pesquisa;
e) coerência e adequação entre a capacitação e a experiência das equipes componentes da rede cooperativa formada quanto às atividades, metas e objetivos propostos;
f) impacto formador e multiplicador de competências do projeto; e,
g) adequação do orçamento aos objetivos, atividades e metas propostas.

4.2.3. A Comissão emitirá uma nota de 0 (zero) a 10 (dez), para cada critério de avaliação descrito acima.

4.2.4. Após a análise de mérito e relevância de cada proposta e da adequação de seu orçamento, a Comissão de Avaliação e Seleção de Propostas, dentro dos limites orçamentários estipulados para este Edital, poderá recomendar:

a) aprovação, com ou sem cortes orçamentários; ou
b) não aprovação.

Nota: Os cortes no orçamento dos projetos não poderão ultrapassar 30% do valor solicitado ao CNPq. Caso a Comissão sugira cortes superiores a esse teto, o projeto será automaticamente excluído da concorrência.

4.2.5. Será utilizado um formulário padrão para registrar o parecer da Comissão sobre as propostas, dentro dos critérios estabelecidos. Para propostas recomendadas, será definido o valor a ser financiado pelo CNPq. Para propostas não recomendadas será emitido parecer consubstanciado contendo as justificativas para a não recomendação. Os formulários serão assinados por todos os membros da Comissão.

4.2.6. As propostas serão recomendadas em ordem decrescente de prioridade.

4.2.7. Ao serem concluídos os trabalhos de julgamento, será elaborada uma Ata da Reunião da Comissão, contendo a relação dos projetos recomendados e não recomendados.

4.2.8. É vedado a qualquer membro da Comissão julgar projetos em que:

a) haja interesse direto ou indireto seu;
b) esteja participando da equipe do projeto seu cônjuge, companheiro ou parente, consangüíneo ou afim, em linha reta ou na colateral até o terceiro grau;
c) esteja litigando judicial ou administrativamente com qualquer membro da equipe do projeto ou seus respectivos cônjuges ou companheiros.

4.2.9. Caso algum membro da Comissão faça parte da equipe de qualquer proposta, o mesmo deverá ausentar-se durante sua análise.

4.3. Etapa III – Aprovação pela Diretoria Executiva (DEX) do CNPq

As propostas recomendadas pela Comissão de Avaliação e Seleção de Propostas serão submetidas à apreciação da Diretoria Executiva do CNPq, que emitirá a decisão final sobre os projetos aprovados, observados os limites orçamentários deste Edital.

5. Resultado do Julgamento

5.1. A relação dos projetos aprovados com recursos financeiros do presente Edital será divulgada na página eletrônica do CNPq, disponível na Internet no endereço http://www.cnpq.br e publicada no Diário Oficial da União (D.O.U.).

5.2. Todos os proponentes do presente Edital tomarão conhecimento do parecer sobre sua proposta por intermédio de correspondência específica a ser expedida pelo CNPq.

6. Recursos Administrativos

Caso o proponente tenha justificativa para contestar o resultado deste Edital, poderá apresentar recurso dirigido à Diretoria Executiva no prazo de 05 (cinco) dias, contados a partir da data de divulgação dos resultados na página do CNPq na Internet, e seu processamento dar-se-á de acordo com a Instrução de Serviço 012/2004.

7. Contratação dos Projetos Aprovados

7.1 Após a divulgação dos resultados, os projetos recomendados pela Comissão de Seleção e aprovados pelo CNPq serão contratados na modalidade de auxílio individual, em nome do coordenador, com a aceitação da entidade por ele representada (instituição de execução do projeto), mediante assinatura de Termo de Concessão e Aceitação de Apoio Financeiro a Projeto de Pesquisa Científica e/ou Tecnológica, disponível no endereço http://www.cnpq.br/bolsas_auxilios/termoconcessao/index.htm, onde as partes assumirão, fundamentalmente, os seguintes compromissos:

7.1.1. Coordenador do projeto:

a) responsabilidade por todas as obrigações contratuais, permitindo que o CNPq, a qualquer tempo, possa confirmar a veracidade das informações prestadas;
b) fornecimento das informações solicitadas pelo CNPq para o acompanhamento do projeto aprovado.
c) correta utilização dos recursos, obrigando-se a cumprir todas as condições nele estabelecidas, em fiel atendimento às normativas internas do CNPq que regulamentam a matéria; e
d) prestação de contas técnica e financeira nos prazos pactuados.

7.1.2. Instituição de execução do projeto:

a) Fiscalização e acompanhamento da execução do projeto, adotando todas as medidas necessárias ao seu fiel cumprimento, sendo responsável solidária pelas obrigações contratuais.

7.1.3. CNPq:

a) liberação dos recursos em quatro parcelas, segundo suas disponibilidades orçamentária e financeira;
b) vistoria, quando necessária, ao local de realização do projeto.

7.2. Constitui fator impeditivo à concessão do apoio financeiro ao projeto a existência de qualquer inadimplência do proponente/coordenador com a Administração Pública Federal Direta ou Indireta, não regularizada no prazo máximo de 30 (trinta) dias após a divulgação dos resultados.

7.3. A contratação ficará condicionada ao envio de documentação formal exigida, inclusive da declaração de anuência formal da instituição executora.

8. Cancelamento da Concessão

A concessão do apoio financeiro será cancelada pela Diretoria Executiva do CNPq, por ocorrência, durante sua implementação, de fato cuja gravidade justifique o cancelamento, sem prejuízo de outras providências cabíveis.

9. Publicações

9.1. Toda publicação e divulgação resultante das atividades apoiadas pelo presente Edital, deverão citar, obrigatoriamente, o apoio do MCT/CNPq.

9.2. As ações publicitárias atinentes a projetos e obras financiadas com recursos da União, deverão observar rigorosamente as disposições contidas no § 1º do art. 37 da Constituição Federal, assim como aquelas consignadas nas Instruções da Secretaria de Comunicação de Governo e Gestão Estratégica da Presidência da República - atualmente a IN/SECOM-PR nº 31, de 10 de setembro de 2003.

10. Avaliação Final / Prestação de Contas

10.1. Decorridos até 60 (sessenta) dias do término da vigência do projeto, o coordenador deverá apresentar, em conformidade com o Termo de Concessão e demais normas do CNPq:

- A prestação de contas financeira em formulário correspondente; e
- O relatório técnico final consubstanciado.

10.2. O projeto será acompanhado, durante o seu desenvolvimento, por meio de:

- Visitas técnicas e científicas de consultores ad hoc e técnicos do MCT e do CNPq;
- Análise dos relatórios técnicos parciais (anuais) de execução do projeto;
- Seminário de avaliação ao final dos primeiros 24 (vinte e quatro) meses de execução.

10.3. Após a apresentação da prestação de contas por meio eletrônico, o coordenador deverá manter em seu poder os comprovantes de despesas utilizados pelo prazo de cinco anos.

10.4. O CNPq reserva-se o direito de, durante a execução do projeto, solicitar informações adicionais, visando a aperfeiçoar o sistema de Avaliação e Acompanhamento.

11. Impugnação do Edital

11.1. A impugnação deverá ser dirigida à Diretoria Executiva do CNPq.

11.2. Decairá do direito de impugnar os termos deste Edital, o proponente que não o fizer até o segundo dia útil anterior ao prazo final estabelecido para recebimento das propostas. Ademais, não terá efeito de recurso a impugnação feita por aquele que, em o tendo aceitado sem objeção, venha a apontar eventuais falhas ou imperfeições posteriormente ao julgamento.

12. Revogação ou Anulação do Edital

A qualquer tempo, o presente Edital poderá ser revogado ou anulado, no todo ou em parte, seja por decisão unilateral do CNPq, seja por motivo de interesse público ou exigência legal, sem que isso implique direitos a indenização ou reclamação de qualquer natureza.

13. Da Criação Protegida

Nos casos em que os resultados do projeto ou o relatório em si tenham valor comercial ou possam levar ao desenvolvimento de uma criação protegida, a troca de informações e a reserva dos direitos, em cada caso, dar-se-ão de acordo com o estabelecido na Lei de Inovação, nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005 e demais legislação pertinente.

14. Permissões e Autorizações Especiais

É de exclusiva responsabilidade de cada proponente adotar todas as providências que envolvam permissões e autorizações especiais de caráter ético ou legal, necessárias para a execução do projeto.

15. Disposições Gerais

15.1. Durante a fase de execução dos trabalhos apoiados toda e qualquer comunicação com o CNPq deverá ser feita por correspondência escrita, preferencialmente por correio eletrônico.

15.2. Qualquer alteração relativa à execução do projeto deverá ser solicitada ao CNPq por seu coordenador, acompanhada da devida justificativa, devendo a mesma ser autorizada antes de sua efetivação.

15.3. As informações geradas com a implementação dos projetos selecionados e disponibilizadas na base de dados do CNPq serão de domínio público.

15.4. A Coordenação responsável pelo acompanhamento do presente Edital é a Coordenação Geral do Programa de Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais Apicadas – CGCHS.

15.5. O presente Edital regula-se pelos preceitos de direito público e, em especial, pelas disposições da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e pela normativa interna do CNPq.

16. Informações Adicionais

Esclarecimentos e informações adicionais acerca do conteúdo deste Edital poderão ser sanadas, por intermédio do serviço Fale Conosco, ou pela Central de Atendimento – telefone 0800-619697 no horário de 8h30 às 18h30 horas.

17. Cláusula de Reserva

A Diretoria Executiva do CNPq reserva-se o direito de resolver os casos omissos e as situações não previstas no presente Edital.

Brasília, 2 de julho de 2006